sexta-feira, 20 de novembro de 2009

A história das Pin Ups parte 2!


Já nesta época a revista Esquire começa a publicar em suas edições desenhos de pin-ups. Pouco tempo depois elas passariam a ter seu próprio caderno na revista. De 1942 a 1946, nove milhões de exemplares da revista são enviados gratuitamente para as tropas americanas em guerra. Além disso, em 1942, quando os Correios americanos ameaçam retirar as tarifas privilegiadas da revista, sob o pretexto de que os seus desenhos são “pornográficos”, ela ganha seu processo, baseando sua defesa o papel patriótico das suas criaturas de sonho.






Revista Esquire - dezembro de 1949


(capa e interna
 

Desde então as pin-ups se tornaram símbolo sexual apreciado e consumido de diversas maneiras. Figurinhas, cartões, isqueiros, copos, cinzeiros, revistas, baralhos... Além dos comerciais que também empregavam pin-ups em suas marcas, como a Coca-cola, por exemplo, que durante muitos anos se utilizou dos desenhos em seus comerciais.









Marilyn Monroe, Rita Hayworth & Betty Grable


.



Ela nasceu Norma Jeane Mortenson no dia 1º de julho de 1926, em Los Angeles, Califórnia. Filha de Gladys Baker. Como a identidade de seu pai era desconhecida foi batizada Norma Jeane Baker. Sua mãe trabalhava nos estúdios RKO como editora de filme, mas problemas psicológicos a impediram de permanecer no emprego. Levada para uma instituição mental, obrigou Norma Jeane a passar grande parte de sua infância em casas de famílias e orfanatos, até 1937 quando mudou-se para a casa de Grace Mckee Goddard, uma amiga da família. Em 1942 o marido de Grace foi transferido para a costa Leste e, como o casal não tinha condições financeiras para levar Norma Jeane, então com 16 anos, ela se viu a beira de duas opções: voltar para o orfanato ou se casar com seu namorado há seis meses Jimmy Dougherty, de 21 anos. No dia 19 de julho de 1942, ela se casou. Ficaram juntos até Jimmy entrar para a marinha e ser transferido para o Pacífico Sul, em 1944. Após sua partida, Norma Jeane começou a trabalhar na fábrica Radio Plane Munition em Burbank, Califórnia.

.

Alguns meses depois, o fotógrafo Davis Conover a viu enquanto tirava fotos para a revista Yank, de mulheres que estavam ajudando durante a guerra. “Ela é um sonho para qualquer fotógrafo”, dizia Conover que a fotografou e começou a lhe enviar propostas de trabalho como modelo. Foi nessa época que começou a fortografar como pin-up principalmente para Earl Moran (falaremos dele no quarto capítulo desta série).

..

Em dois anos tornou-se uma modelo respeitável e estampou seu rosto em várias capas de revistas. Ela começou a estudar o trabalho das lendárias atrizes Jean Harlow e Lana Turner, e inscreveu-se em aulas de teatro sonhando com o estrelato. Jimmy retornou em 1946, o que significou que Norma Jeane tinha que fazer outra escolha, desta vez entre seu casamento e sua carreira. Divorciou-se de Jimmy no mês de junho e assinou seu primeiro contrato com a 20th Century Fox em 26 de agosto. Ganhava $125 por semana. Pouco tempo depois, tingiu seu cabelo de loiro e mudou seu nome para Marilyn Monroe. Monroe era o sobrenome de sua avó.



.




Marilyn, ainda como Norma Jean, posando para Earl Moran. A direita o desenho já finalizado.


.

A pin-up mais célebre do século 20, Marilyn Monroe, contribuiu de maneira considerável para impor o clichê da boneca loira, passiva e inocente, à espera do bem-querer do homem. Marilyn Monroe encarna este clichê com perfeição em 1949, mas quando é publicado o calendário Golden Dreams ela, já famosa, recebe do estúdio a incumbência de negar que as fotos são dela. A jovem mulher opta antes por revelar a verdade aos jornalistas e acaba sendo transformada, em pouco tempo, num símbolo sexual do cinema nos Estados Unidos. Sempre provocativa, uma vez quando perguntada por um repórter o que ela usava para dormir, respondeu: “Duas gotas de Channel Nº 5”, um famoso perfume da Channel. O ícone mítico e sorridente fará a sua glória, mas também causará a sua desgraça: é difícil impor-se como uma atriz séria quando você encarnou a loira descerebrada cujo vestido é levantado pelo vento. O resto de sua vida, como dizem, virou história. O romance com o presidente americano John Kennedy, seu casamento com o escritor americano Eugene O´neil, inclusive sua morte por overdose de barbitúricos.

.

2 comentários:

Larissa disse...

Oi Paola,
tudo bem?

infelizmente nao poderia participar do curso que voce me recomendou, uma vez que moro em Londres e so vou a Curitiba duas vezes por ano! Mas mesmo assim, muito obrigada pela indicacao!

Beijos,
Lari

***Calcinha Fru-Fru*** disse...

Oi!!! Muito legal a história das pin ups!! Estou adorando!!

Bjs e boa semana!!

Cherries and Peppers: