terça-feira, 24 de novembro de 2009

A história das Pin Ups parte 3!


Na época de Marilyn, o apolo Tab Hunter é recrutado pelos estúdios para encarnar junto as adolescentes o solteiro branco, loiro, tranqüilizador e viril, contra o bad boy Marlon Brando. O pobre ator, que se vê obrigado a concluir todas as suas entrevistas com um comentário fazendo a apologia da vida matrimonial, é na realidade homossexual… Revelação feita anos mais tarde quando contou sua vida dupla num best-seller amargurado, Tab Hunter Confidential de 2005.


 
 
 
 
 
 
 
 


Rita Hayworth


.

Porém, nessa mesma época era Rita Hayworth quem abusava da popularidade de sua Gilda. Uma foto da eterna Gilda vestida com camisola transparente foi transformada em desenho e invadiu os acampamentos. Com ela Rita se tornou a segunda no ranking dos soldados em batalha. Margarita Carmen Cansino, ou depois, Rita Hayworth, nasceu no dia 17 de outubro de 1918, em Nova Iorque, EUA. Filha de dançarinos ciganos, Rita subiu pela primeira vez aos palcos aos 12 anos de idade. Ao longo de sua adolescência se apresentou nos mais diversos casinos da fronteira EUA e México, onde, certa vez, um barman se apaixonou por ela, criando, em sua homenagem, o tão famoso drink Margarita. Em 1935 assinou com a Fox, devido sua naturalidade ao interpretar, fazendo várias pontas em filmes pequenos. Anos depois assinaria com a Columbia, onde atuou com grandes nomes como Fred Astaire e Genny Kelly. Nos anos 40 se firmou como uma das melhores dançarinas de Hollywood e a maior estrela romântica da década. Em 1940 com sua atuação no filme Gilda sua popularidade a transformaria na maior estrela do cinema.


Rita Hayworth, eterna Gilda...


.

Casou-se cinco vezes. Uma delas, a segunda, como o famoso diretor Orson Welles. É dele o filme considerado o melhor da história do cinema, Cidadão Kane, de 1941. Outra vez, em 49, casou-se com o príncipe Aly Khan, o grande playboy da época, quando interrompeu sua carreira. Essa pausa lhe custaria muito caro. Ao se divorciar dois anos depois ela não mais alcançaria a fama anterior. "Os homens vão para a cama com Gilda, mas acordam comigo", dizia. A vida privada de Rita Hayworth, aliás, não teve tantos finais felizes como os filmes que interpretava. Comenta-se que a atriz teria sofrido abuso sexual do pai ainda na infância. Seu último filme data de 1972, “Ira Divina”, depois disso retirou-se da vida pública para se dedicar aos tratamentos para combater o Mal de Alzheimer, doença da qual faleceu no ano de 1987.
 
 

Nem Marilyn nem Hayworth, porém, conseguiram desbancar a lendária Betty Grable. Ela foi a pin-up mais famosa daquela época posando de maiô sempre com um sorriso convidativo, transformou-se na amante imaginária predileta dos soldados. Betty também foi atriz e chegou a protagonizar, em 1944, um filme chamado Pin-up Girl, na qual interpretava uma dançarina.


.

Elisabeth Ruth Grable, a Betty Grable, nasceu em 18 de dezembro de 1916, em St. Louis, Missouri, nos Estados Unidos. Desde muito pequena, por conselho de uma mãe autoritária, aprendeu a dançar e cantar. Na adolescência mudou-se para Califórnia onde começou a estudar interpretação, chegando a estrear, com apenas 13 anos, com pequenas participações em longas metragens como “Happy Times” de 1930.

 


Cartaz de Pin-up Girl, com Betty Grable de 1944


.



Em 1937 se casou com Jackie Coogan, então famoso por sua atuação enquanto criança no filme “O Garoto” de Charlie Chaplin, onde, ainda criança, atuou ao lado de uma das maiores lendas do cinema. Divorciaram-se no ano seguinte. Nos anos 40 ela se tornaria uma estrela de alcance mundial. Nesta época teve suas pernas seguradas pelos estúdios da 20th Century Fox no valor de um milhão de dólares por perna.

.

Já famosa posou como pin-up para os aviões dos soldados americanos da Segunda Guerra Mundial, olhando para trás por sobre o ombro direito, transformou-se na maior pin-up do mundo na época. Sua imagem foi posteriormente incluída numa lista compilada pela revista LIFE como uma das 100 Fotos que Mudaram o Mundo. Em 1943 casou-se novamente, agora com o músico Harry James, com quem esteve por 22 anos. Em 1955 se retirou do cinema dedicando-se somente ao teatro e a televisão. No dia 5 de julho de 1973 morreu em Santa Mônica, Califórnia, vítima de um câncer de pulmão.



Betty Grable e sua mais famosa foto. Nose art nos aviões da Segunda Guerra


.

Enquanto os combates estiveram no auge, a pin-up exibe orgulhosamente sua glória e sua independência. Mas ao fim da guerra o mundo vê se impor a pin-up fotografada. Isso muda por completo as regras do jogo. Os anos 50 são conservadores. Neles a mulher passa então a encarnar papéis mais tradicionais. É a era da virgem eterna e do avião loiro e ingênuo. No decorrer dos anos, o mercado da pin-up se vê limitado às revistas para homens. Em 1953, uma nova revista, a Playboy, toma o lugar da Esquire, que se desinteressou de uma vez por todas da pin-up. A primeira playmate das páginas centrais é ninguém menos que Marilyn Monroe. Por trás das suas reivindicações de liberação sexual, a revista faz da pin-up uma boneca sem personalidade. As poses são previsíveis, as fotos retocadas, as modelos são fotografadas no frio para que seus mamilos fiquem arrepiados. A pin-up dessa geração se afastou do grande público.

.

Ainda nos anos 50 surge uma nova pin-up, em fotografia claro, considerada por todos a mais famosa da história e também a mais ousada e provocativa de todas. Seu nome? Bettie Page, a Miss Pin-up Girl do Mundo. A única mulher a receber esse título na história.

.

Nenhum comentário:

Cherries and Peppers: